A era Trump começou, Trump toma posse como 45º presidente dos EUA.

0
2645

Donald John Trump, 70, tomou posse nesta sexta-feira (20) como o 45º presidente dos Estados Unidos, sucedendo Barack Obama com discurso crítico à classe política e no mesmo tom que marcou sua campanha eleitoral.
Para o juramento, ele usou duas Bíblias — a que ganhou de sua mãe quando terminou a escola primária, em 1955 e a que Abraham Lincoln usou na sua posse, há 150 anos, e que também foi usada por seu antecessor, Barack Obama, em 2009 e 2013.
Com as mãos pousadas sobre elas, proferiu o juramento de posse, seguindo as palavras do presidente da Suprema Corte dos Estados Unidos, John G. Roberts Jr:
“Eu, Donald John Trump, juro solenemente cumprir fielmente as funções de Presidente dos Estados Unidos e, com todos os meios ao meu alcance, salvaguardar, proteger e defender a Constituição dos Estados Unidos”, disse, acrescentando ao final a frase “Assim Deus me ajude”.
Essa última frase não consta da Constituição, mas todos os presidentes eleitos a disseram, seguindo os passos de George Washington. Em seguida, Trump fez seu pronunciamento à nação.
Discurso
“Presidente da Suprema Corte, Presidente Carter, Presidente Clinton, Presidente Bush, Presidente Obama, colegas americanos e pessoas de todo o mundo, obrigado.
Nós, os cidadãos da América, estamos agora unidos em um grande esforço nacional para reconstruir o nosso país e restaurar a sua promessa para todos os nossos povos. Juntos, determinaremos o curso da América e do mundo por muitos, muitos anos vindouros.
Vamos enfrentar desafios. Vamos enfrentar dificuldades. Mas vamos fazer o trabalho. A cada quatro anos, nos reunimos nesses passos para realizar a transferência ordenada e pacífica do poder.
E estamos gratos ao presidente Obama e à primeira-dama Michelle Obama por sua graciosa ajuda durante toda esta transição. Eles foram magníficos. Obrigado.
A cerimônia de hoje, no entanto, tem um significado muito especial. Porque hoje, não estamos apenas transferindo o poder de uma administração para outra ou de uma parte para outra. Mas estamos transferindo o poder de Washington, D.C., e dando de volta para vocês, o povo.
Por muito tempo, um pequeno grupo na capital de nossa nação tem colhido as recompensas do governo enquanto o povo suportou os custos. Washington floresceu, mas o povo não compartilhou de sua riqueza. Os políticos prosperaram, mas os trabalhos saíram daqui. E as fábricas fecharam.
As vitórias não foram suas vitórias. Os triunfos não foram seus triunfos. E enquanto comemoravam na capital de nossa nação, havia pouco para comemorar para as famílias em dificuldades em toda a nossa terra. Que todas as mudanças comecem aqui e agora. Porque este momento é o seu momento. Isso pertence a vocês.
Isso aqui, Estados Unidos da América, é seu país. O que importa não é que parte controla nosso governo, mas que nosso governo seja controlado pelo povo. Esse dia será lembrado como o dia em que as pessoas voltaram a controlar esse país. Os esquecidos não serão mais esquecidos.
No centro deste movimento está uma convicção crucial – de que existe uma nação para servir os seus cidadãos. Os americanos querem grandes escolas para seus filhos, bairros seguros para suas famílias e bons empregos.
Essas são exigências justas e razoáveis de pessoas justas e um público justo. Mas para muitos de nossos cidadãos, existe uma realidade diferente. Mães e crianças presas na pobreza em nossas cidades, fábricas espalhadas como lápides pela paisagem de nossa nação, um sistema educativo cheio de dinheiro, mas que deixa nossos jovens e belos alunos privados de todo conhecimento.
E o crime, e as gangues, e as drogas que roubaram muitas vidas e roubaram nosso país de tanto potencial não realizado. Esta carnificina americana para aqui e para agora.
Somos uma nação, e sua dor é a nossa dor. Seus sonhos são nossos sonhos, e seu sucesso será nosso sucesso. Nós compartilhamos um coração, um lar e um destino glorioso.
O juramento de posse que tomo hoje é um juramento de fidelidade a todos os americanos. Durante muitas décadas, enriquecemos a indústria estrangeira à custa da indústria americana, subsidiamos os exércitos de outros países, permitindo o triste esgotamento de nossas forças armadas.
Defendemos as fronteiras de outras nações ao mesmo tempo em que recusamos defender as nossas. E gastamos trilhões e trilhões de dólares no exterior, enquanto a infraestrutura da América caiu em ruínas e decadência.
Fizemos outros países ricos enquanto a riqueza, força e confiança de nosso país se dissiparam no horizonte. Uma a uma, as fábricas fecharam e deixaram nossas costas sem sequer pensar nos milhões e milhões de trabalhadores americanos que ficaram para trás. A riqueza de nossa classe média foi arrancada de suas casas e depois redistribuída em todo o mundo.
Mas isso é o passado e agora estamos olhando apenas para o futuro.
Nos reunimos aqui hoje estamos emitindo um novo decreto para ser ouvido em cada cidade, em cada capital estrangeiro e em cada corredor de poder. A partir deste dia, uma nova visão governará nossa terra. A partir deste dia, vai ser apenas a América em primeiro lugar, a América em primeiro lugar.
Toda decisão sobre o comércio, sobre os impostos, sobre a imigração, sobre assuntos externos será feita para beneficiar trabalhadores americanos e famílias americanas. Devemos proteger nossas fronteiras dos estragos de outros países que fabricam nossos produtos, roubando nossas empresas e destruindo nossos empregos.
Proteção levará a grande prosperidade e força. Vou lutar por vocês com cada respiração em meu corpo. E eu nunca, nunca vou deixar vocês para baixo.
A América vai começar a ganhar novamente, vencendo como nunca antes.
Vamos trazer de volta nossos trabalhos. Vamos trazer de volta nossas fronteiras. Nós traremos de volta nossa riqueza, e nós traremos de volta nossos sonhos. Vamos construir novas estradas e estradas e pontes e aeroportos e túneis e ferrovias em toda a nossa nação maravilhosa. Vamos tirar o nosso povo do bem-estar e voltar ao trabalho de reconstruir o nosso país com as mãos americanas e trabalho americano. Vamos seguir duas regras simples – comprar de americano e contratar de americano.
Buscaremos amizade e boa vontade com as nações do mundo.
Mas o fazemos com o entendimento de que é o direito de todas as nações colocar seus próprios interesses em primeiro lugar. Nós não procuramos impor nosso modo de vida a ninguém, mas sim deixá-lo brilhar como um exemplo. Nós brilharemos para que todos sigam.
Vamos reforçar alianças antigas e formar novas. E unir o mundo civilizado contra o terrorismo radical islâmico, que vamos erradicar completamente da face da terra.
No alicerce da nossa política será uma lealdade total aos Estados Unidos da América e através da nossa lealdade ao nosso país, vamos redescobrir a nossa lealdade uns aos outros. Quando você abre seu coração ao patriotismo, não há espaço para o preconceito.
A Bíblia nos diz quão bom e agradável é quando o povo de Deus vive em união. Devemos falar o que pensamos abertamente, debater o nosso desacordo honestamente, mas sempre buscar a solidariedade. Quando a América está unida, ela é totalmente incontrolável
Não deve haver medo. Estamos protegidos e estaremos sempre protegidos. Seremos protegidos pelos grandes homens e mulheres de nossas forças armadas e da aplicação da lei. E o mais importante, seremos protegidos por Deus.
Finalmente, devemos pensar grande e sonhar ainda maior. Na América, entendemos que uma nação só está viva enquanto estiver lutando. Não vamos mais aceitar políticos que só conversam e não agem, constantemente reclamando, mas nunca fazendo nada sobre isso.
O tempo para conversas vazias acabou. Agora chegou a hora da ação.
Não permita que ninguém lhe diga que não pode ser feito. Nenhum desafio pode corresponder ao coração, à luta e ao espírito da América. Não vamos falhar. Nosso país vai prosperar e prosperar novamente. Estamos no nascimento de um novo milênio, indústrias e tecnologias de amanhã. Pronto para desvendar os mistérios do espaço para libertar a terra das misérias da doença e para aproveitar as energias, um novo orgulho nacional vai agitar-nos e curar nossas divisões.
É hora de lembrar que nós somos pretos ou marrom ou branco, todos nós acreditamos que temos o mesmo sangue vermelho dos patriotas. Todos nós desfrutamos das mesmas liberdades gloriosas, e todos saudamos a mesma grande bandeira americana.
E se uma criança nasce na expansão urbana de Detroit ou nas planícies de Nebraska, varridas pelo vento, elas olham para o mesmo céu noturno, constroem um coração com os mesmos sonhos e são infundidos com o sopro de vida pelo mesmo Criador Todo Poderoso.
Assim, para todos os americanos em todas as cidades próximas e distantes, pequenas e grandes, de montanha para montanha, de oceano para oceano, ouçam essas palavras – vocês nunca serão ignorados novamente.
Sua voz, suas esperanças e seus sonhos definirão nosso destino americano. Sua coragem, bondade e amor sempre nos guiarão ao longo do caminho. Vamos fazer a América forte novamente. Vamos fazer a América rica novamente. Nós faremos América orgulhosa outra vez. Vamos fazer a América segura novamente. Sim, juntos, obrigado. Nós faremos a América grande outra vez. Deus abençoe vocês . E Deus abençoe a América. Obrigado.”
Trump foi eleito em 8 de novembro de 2016, quando conquistou a maioria do colégio eleitoral, embora sua adversária, a democrata Hillary Clinton, tenha tido mais votos populares. O resultado final contrariou pesquisas, surpreendeu analistas e a imprensa norte-americana, que até o começo da apuração dava como praticamente certa a vitória de Hillary.
“Estou aqui hoje para honrar nossas democracia e nossos valores duradouros. Nunca deixarei de acreditar no nosso país e seu futuro”, disse Hillary por meio do Twitter.
Polêmico
Com um discurso direto e muitas vezes agressivo, Trump foi um dos mais polêmicos candidatos à Casa Branca e se envolveu em discussões com diversos grupos e indivíduos ao longo de quase um ano de campanha. Ainda assim, derrotou outros 14 pré-candidatos de seu partido na disputa pela vaga para concorrer à presidência.
Votado por 47,01% dos eleitores, Donald Trump terá que encarar a divisão – e uma enorme desconfiança – da população desde o início de seu mandato. Segundo levantamento da CNN, ele assume o cargo com uma taxa de popularidade de apenas 40%, menos do que a metade da de seu antecessor, Barack Obama, que se tornou presidente com um índice de 84%. Além disso, ele também é menos popular do que George W. Bush e Bill Clinton, segundo a mesma pesquisa.
Seguindo o tom da época de campanha, Trump desdenhou desses números dias antes da posse, expressando-se através de seu perfil no Twitter: “As mesmas pessoas que fizeram as falsas pesquisas eleitorais, e estavam tão erradas, estão agora fazendo pesquisas de taxa de aprovação. Eles estão sendo parciais como antes”, reclamou.
Dia de posse
Ainda antes de tomar posse, Trump começou a sexta-feira participando de uma cerimônia religiosa em uma igreja em frente à Casa Branca. Depois foi com sua esposa, Melania, para se reunir com Barack e Michelle Obama na Casa Branca antes de todos partirem ao Capitólio para a cerimônia de posse do magnata.
Os dois casais se dirigiram ao tradicional chá com seus vice-presidentes e líderes do Congresso. Antes disso, um presente da nova primeira-dama gerou comoção. Após um abraço, Melania presenteou Michelle com uma grande caixa da joalheria Tiffany’s.
Sob os olhares de todos, Michelle pareceu perplexa, sem saber onde colocar o presente surpresa, enquanto os quatro posavam para uma fotografia. Nenhum dos fuzileiros que estavam de pé ao lado deles foi autorizado pelo protocolo a quebrar sua saudação para segurar a caixa, e o problema só foi resolvido quando Obama entrou na Casa Branca para deixar o misterioso presente.
Protestos
Enquanto tudo ocorria dentro do previsto na formalidade de posse, manifestantes vestidos de preto quebraram vidros de lojas e janelas de carros durante uma marcha de protesto contra a posse de Trump, em Washington. Uma filial da rede Starbucks, uma do McCafe e uma agência do Bank of America foram vandalizadas alvo dos manifestantes, segundo testemunhas.
Houve correria e a polícia utilizou spray de pimenta para dispersar o grupo.
Fonte: Exame/ Globo
Foto : Carlos Barria/Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.