Samoa Americana

0
3398

Samoa Americana é um território dos Estados Unidos. É formado por um grupo de ilhas do oceano Pacífico, na Oceania. Seu vizinho mais próximo é o país chamado Samoa, no mesmo grande arquipélago. A capital de Samoa Americana é Pago Pago, na ilha de Tutuila. A área total do território é de 200 km2 e sua população é de 66.700 habitantes (estimativa de 2011).

Mapa Samoa 1

As ilhas de Samoa Americana localizam-se cerca de 1.600 milhas a nordeste da Nova Zelândia e 2.200 milhas a sudoeste do estado americano do Havaí. São sete ilhas: Tutuila, Tau, Olosega, Ofu, Aunuu, ilha dos Cisnes e ilha da Rosa, que não é habitada.

Duas das ilhas, a dos Cisnes e a da Rosa, são atóis de coral. Foram formadas quando vulcões afundaram no mar no decorrer de milhares de anos. Cadeias de coral se desenvolveram em torno dos vulcões enquanto eles afundavam, e no final restaram apenas os corais e uma pequena área de terra. As outras ilhas do grupo foram formadas por atividade vulcânica e são muito montanhosas. O território fica numa parte do mundo conhecida como Anel de Fogo do Pacífico, cheia de vulcões e muito sujeita a terremotos.

Mapa samoa 2

No dia 29 de setembro de 2009, as ilhas de Samoa Americana foram sacudidas por um forte terremoto no fundo do mar. Por causa dele, uma grande onda chamada tsunami atingiu as ilhas e causou danos terríveis em Pago Pago foi inundada e nas aldeias das ilhas.
As ilhas de Samoa Americana são tropicais. Florestas tropicais com samambaias gigantes e árvores cobrem as montanhas. Entre os animais selvagens destacam-se as raposas-voadoras (um tipo de morcego), lagartos, ratos, cobras e porcos. As ilhas também têm muitos insetos voadores e rastejadores.

A ilha da Rosa faz parte do Refúgio Nacional de Animais Selvagens do Atol da Rosa, criado para proteger as aves marinhas, tartarugas e outros animais que fazem seus ninhos na ilha. Além disso, o refúgio protege o recife de coral das águas que cercam a ilha.

samoa

As ilhas fazem parte da área da Oceania conhecida como Polinésia. A maioria das pessoas que vivem ali são nativos polinésios, embora haja europeus, asiáticos e imigrantes vindos de Tonga. A maior parte da população é cristã. As línguas oficiais são o samoano e o inglês.

Os samoanos vivem em grandes grupos familiares liderados pelos chefes. Muitas das famílias moram em aldeias ao longo das costas. Elas compartilham a terra.

A economia de Samoa Americana repousa sobretudo na indústria e nos serviços. Fábricas processam o atum, colocando-o em latas e também produzindo alimentos com o peixe para animais de estimação. Os empregos no governo e no setor de serviços ligados ao turismo ocupam grande parte da população. A agricultura é difícil porque a terra é muito montanhosa. As pessoas costumam plantar batata-doce, coco, banana e inhame para consumo próprio.

As ilhas de Samoa Americana foram povoadas pelos polinésios (provavelmente vindos de Tonga) cerca de 3 mil anos atrás. Muitos estudiosos acham que a população espalhou-se posteriormente para povoar várias ilhas do leste da Polinésia.

No século XVIII, exploradores e comerciantes europeus foram chegando à região. Mais tarde foi a vez dos missionários, que começaram a disseminar o cristianismo nas ilhas.

samoa 4

Em 1878, os Estados Unidos criaram uma base naval na enseada de Pago Pago. Depois, a Alemanha e os Estados Unidos concordaram em dividir as ilhas entre si. Os alemães ficaram com o controle das ilhas ocidentais e os americanos, com o das orientais. Os chefes locais entregaram oficialmente a administração da terra aos estrangeiros no início do século XX.

No começo os Estados Unidos indicavam um governador para administrar as ilhas. Mas os samoanos quiseram ter mais voz nas decisões. Em 1977, um samoano tornou-se o primeiro governador eleito. Desde então, todos os membros da legislatura do território têm sido eleitos pela população. Os habitantes de Samoa Americana não podem votar para presidente dos Estados Unidos, mas mandam à câmara dos deputados dos Estados Unidos um delegado; só que ele também não vota, é apenas observador das reuniões.